menu
Topo
Casa de Viver

Casa de Viver

Histórico

40 m2 ou menos? Veja boas ideias para ganhar espaço em casa

Casa de Viver

02/06/2018 14h58

Decorar não é moleza, nós sabemos. Mas com algumas dicas fica bem mais fácil! Se seu imóvel segue a tendência mundial de diminuição de espaços individuais para habitação, a pauta de hoje pode te ajudar e muito!

Integrar

Essa é a palavra de ordem. Já não é novidade que, ao subtrair barreiras, multiplicamos espaços, certo? Pois, então, se seu lar é pequeno, comece pensando quais as maneiras de integrar ambientes! Salas de estar, salas de jantar e cozinhas, por exemplo, se dão muito bem quando integradas. sem paredes à vista, a divisão de espaços é sutil, feita por móveis, mesmo. O lado de trás de um sofá separa a sala de jantar dá de estar, enquanto uma bancada com lugares para se sentar e fazer refeições rápidas é o suficiente para distinguir a cozinha da área de jantar.

Outra onda mundial é o home-office que permite que seu lar seja, também, seu local de trabalho. E, nesse sentido, nada melhor do que a integração para aliar as duas funções. A bancada da cozinha, quando não usada para refeições, apoia facilmente um notebook e os utensílios de trabalho, não é?

O escritóro Stag Pads conseguiu, nesse pequeno quarto, aliar conforto com funcionalidade: o espelho é esconde um armario com inúmeras divisórias e a bancada do quarto comporta um confortável home-office, com iluminação natural.

A arte de integrar bem ambientes pode ser facilitada quando não há uma interrupção nos pisos. Com um mesmo revestimento em todos os espaços temos uma noção de continuidade e acolhimento. Para distinguir os espaços, o uso de tapetes é uma boa idéia.

O arquiteto Konstantin Entalecev usa painéis de vidro para separar o quarto dos outros ambientes. Assim, o espaço é bem aproveitado e, ao mesmo tempo, se cria fluidez entre os ambientes. O piso mantém-se o mesmo desde o quarto até a cozinha!

Aproveitar o pé direito

É comum pensarmos apenas no aproveitamento horizontal e esquecermos de ocupar os espaços mais altos. Nos imóveis mais enxutos, cada cantinho é valioso! Então busque sempre pensar em prateleiras, armários altos, estantes e, quem sabe, até na criação de um segundo nível, caso a altura até o teto permita. Com isso, você pode ganhar quase o dobro de espaço para armazenamento.

Projeto de Fabio e Andréa Pinho, foi otimizado o pé direito com prateleiras até o teto e um espaço para armazenamento embaixo da cama.

Escolha dos móveis

Tendo espaços reduzidos, precisamos avaliar bem o que vamos colocar dentro deles.  Móveis "grandalhões" e volumosos não são bem-vindos, enquanto os mais "sequinhos" ganham força. O que queremos dizer com isso? Simples: na mesa de jantar, cadeiras largas, com braço, dão lugar às mais esguias. No quarto, a cabeceira estofada e cheia de detalhes fica de fora, enquanto ripas de madeira são bem-vindas… E por ai vai. Além do tamanho, é interessante que tenham mais do que uma unica função. Sofás-cama, mesinhas laterais que viram banquetas, camas-baú… Quanto mais possibilidades de usos diferentes em um mesmo objeto, menos quantidade de móveis ocupando espaço. Inteligente, certo?

Móveis multifuncionais, como o sofá projetado pelo escritório Ambidestro: metade é sofá, metade banco para a sala de jantar (que é redonda e pequena, otimizando a circulação)

Marcenaria funcional

Há tempos que a marcenaria passou a ser item prioritário na decoração, mas, se tratando de imóveis reduzidos, ela é ainda mais primordial. Nesse tipo de habitação ela terá mais do que a simples função de "local de armazenamento" e pode fazer as vezes de closet, estante, cabeceira e divisória, tudo ao mesmo tempo! Quanto mais bem pensada ela for, mais aproveitamento de espaço você terá.

Não é só isso: com a grande quantidade de empresas especializadas no mercado, é importante escolher bem. Os mínimos detalhes contam: às vezes, o estrado de 5 centímetros  que uma marca usa pode ser encontrado em outra empresa com a mesma eficiência estrutural tendo apenas 3 centímetros. Pode parecer pouca diferença, mas, além da estética, de centímetro em centímetro, você vai ganhando espaço que, em locais pequenos, não podem ser negligenciados.

O arquiteto Fabio Cherman projetou uma marcenaria especialmente para a cozinha desse pequeno estudio, na qual conseguiu embutir todos os eletrodomésticos que ficariam nessa parte da casa, como maquina de lavar, microondas, forno e coifa, além do cooktop. Na oarte de cima da marcenaria ainda consegue criar armários para os utensílios.

Uso e cores

O uso de cores sem segredos: tons neutros e claros ampliam os ambientes, ao mesmo tempo que trazem luz. Em locais pequenos, o excesso de cores e detalhes podem passar a sensação de confusão, inquietação e incomodar quem os frequenta. Não é essa a ideia para um lar, não é mesmo? Portanto, espaços reduzidos pedem cores mais claras, materiais que conversem entre si, para dar harmonia ao espaço. Claro que tons mais quentes podem ser usados e cores são bem-vindas, mas com parcimônia. Inclusive, a fim de evitar barreiras físicas, a ideia do color-block consegue dividir e enfatizar ambientes apenas com a mudança de cores. Boa ideia!

Vjacheslav Zhugin and Olga Ursulenko optou pela total integração dos ambientes de uso comum nesse apartamento de 32m². Vemos que, ao manter uma paleta de tons neutros e suaves, a comunicação entre eles se deu de forma mais harmonica e sem que ficasse com excesso de ifnormações.

Sobre os autores

A dupla de arquitetos que assina este blog tem muita genética envolvida: Beatriz Dutra e André Bacalov, além de mãe e filho, são a oitava e nona gerações de artistas plásticos da família. No início, ela não queria que ele seguisse sua profissão. Mudou de ideia quando viu o talento do jovem e o convidou para trabalhar com ela. Foi aí que André decidiu começar uma carreira independente. Beatriz chefia o escritório que leva seu nome e André optou por criar o próprio, com duas sócias, o TRiART. Agora, aqui no Casa de Viver, eles finalmente trabalham juntos

Sobre o blog

Um blog com muitos macetes e sugestões para deixar seu lar mais bonito, prático e deliciosamente aconchegante. Mas não um lugar que pareça uma vitrine, não! Ninguém vive feliz em um cenário intocável. A gente quer que você tenha uma casa inspirada nas palavras de Carlos Drummond de Andrade: "Arrume a sua casa todos os dias... Mas arrume de um jeito que lhe sobre tempo para viver nela".